• André Habib

Disjuntores – Tipos e categorias (parte 2/2)


Na parte 1 do nosso artigo, falamos sobre os tipos de disjuntores, que são: térmico, magnético e termomagnético. Nessa parte 2, falaremos sobre as categorias. Três são os fatores que determinam a qual categoria um disjuntor irá pertencer. São elas: o tipo de carga, a faixa de corrente de ruptura e o tempo de ruptura. Esses fatores ditam a curva de ruptura de cada categoria e cada uma delas (cada uma das categorias) possuem os seguintes nomes: caracterítica curva B, característica curva C e característica curva D. Vejamos cada uma delas isoladamente.

Característica curva B

Essa categoria é destinada a circuitos de cargas resistivas em geral, como: chuveiros, aquecedores elétricos e tomadas de uso geral (TUG), possuem curva de ruptura de 3 a 5 vezes maior que a corrente nominal. Para uma corrente nominal de 10A, a curva fica entre 30 e 50A.

Característica curva C

Possuem corrente de ruptura 5 a 10 vezes maiores que a corrente nominal. Por exemplo, para uma corrente de 10A, curva de ruptura entre 50 e 100A. São mais usados em circuitos com cargas indutivas em geral, tais como: ar condicionado, bombas, circuitos de iluminação, sistemas de comando e controle.

Característica curva D

Usados em circuitos industriais, tais como: motores de grande porte, transformadores e máquinas de solda, possuem corrente de ruptura de 10 a 20 vezes maior que a corrente nominal. Numa corrente nominal de 10A, curva entre 100 e 200A. Esperamos que esses dois artigos o tenham ajudado a entender um pouco melhor a relação estreita entre os disjuntores e o fator segurança quando falamos em eletricidade. Até o próximo!


0 visualização