Os perigos dos disjuntores defeituosos


Superaquecimento de circuitos

Como cada disjuntor é classificado por um número máximo de amperes que o mesmo pode utilizar, em caso de defeitos, mais amperes do que a fiação pode suportar acabarão sendo utilizados e como resultado a fiação pode queimar e derreter. É claro que nesses casos, além de a eletricidade para de fluir, vidas podem ser colocadas em risco em caso de o fogo dos fios se expandir.

Curtos circuitos

O curto elétrico acontece quando um fluxo de corrente num circuito toma um caminho não intencionado para a terra, ao invés de voltar pelo fio neutro. Isso poderá acontecer caso um parafuso do terminal afrouxe e , desse jeito, o fio energizado toca no interruptor de metal ou mesmo a caixa da tomada. Se uma pessoa tocar na caixa, a eletricidade então vai atravessar o caminho de menor resistência através do corpo da pessoa, eletrocutando-a. O disjuntor foi projetado para ser desligado em casos como esse, mas caso esteja com defeito, acaba por colocar quem quer que toque no botão ou tomada curto-circuitada em risco.

Choques

Por ser projetado desligar automaticamente quando qualquer objeto tocar em um fio energizado, ao invés disso, o disjuntor com defeito manterá o fio energizado nessas situações, provocando choque em quem tocar no fio ou em objetos condutores de eletricidade encostados no mesmo.

Picos de energia

Em situações de funcionamento normal, se acontecer um pico ou flutuação no fornecimento de eletricidade, o disjuntor é projetado para se desligar automaticamente. Assim como na situação de superaquecimento, circuitos defeituosos, além de não desligarem automaticamente, podem super aquecer a fiação e também provocar incêndios.

1 visualização