• André Habib

Qual a lâmpada mais indicada para as cozinhas industriais?


Índice de Reprodução de Cores (IRC)

A cor de um alimento não serve apenas para quando olhamos para a apresentação do prato. Nas cozinhas industriais então, onde os alimentos são na sua maioria preparados para os funcionários do “chão de fábrica” ou do ambiente de produção, a apresentação é quase que item imperceptível. Por outro lado, no momento do preparo dos alimentos, pode-los enxerga-los com clareza pode evitar o consumo de uma carne, um legume ou uma verdura estragada, etc. Por isso precisamos ficar atentos ao IRC (Índice de Reprodução de cores) que varia de 0 a 100 – e que, quanto maior, mais real será a coloração reproduzida.

Tipo de lâmpada

A começar pela escolha do tipo de lâmpada, hoje temos duas opções no mercado: a fluorescente e a de LED. Essa última é mais econômica e tem maior durabilidade, portanto acaba sendo mais indicada, e seu IRC é de cerca de 80%. Na cozinha, são mais indicadas as fluorescentes compactas ou tubulares e as de LED tubular.

A lâmpada certa para cada espaço

Mesmo estando no mesmo ambiente, cada espaço da cozinha pode exigir diferentes tipos de iluminação, adequando-se ao processo que está sendo feito. No teto, utilize lâmpadas que proporcionem uma boa iluminação, com índices acima de 84% de IRC, preferencialmente. A quantidade não deve ser pouca, porém isso irá variar de acordo com o tamanho do espaço e da altura do pé direito. Na coifa, a indicação é pelas que tenham potência mínima de 50w. Já sobre as bancadas, o ideal é de, pelo menos, 60w. O fogão também merece uma atenção especial, afinal é nele que os alimentos são finalizados. Uma combinação de 50 w e 3 mil k será perfeita para ajudar a definir bem as cores dos alimentos.

0 visualização